sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Ao pé da cruz.






O senhor tem um lugar especial para cada cristão. Viver ao pé da cruz é estar debaixo da potente mão de Deus. Livres da canseira e do enfado que existe no mundo sem Cristo. Onde o mundo olhará pra nós e verá e ouvirá não nós, e sim, Cristo.
Penso nos irmãos dos primeiros séculos. Que suportaram o maior calor do dia. E plantaram com a fé regando com lágrimas e sangue. Saudando o concretizar da promessa ainda distante.
Como são exemplos de perseverança e convicção! Mesmo diante da morte e morte dolorosa. Jesus Cristo e os cristãos dos primeiros séculos foram os semeadores. Nós somos os que colhem.
Mesmo assim posso ter certeza que a sombra dessa cruz é um lugar para se tornar um homem ou mulher que faz de Cristo o seu manto. Que debaixo da soberana graça de Deus vive no Caminho de transformação.
Ao pé da cruz existe perdão, transformação, renovação. Existe salvação. Esse é o meu lugar. Pode também ser o seu.
Se crer que Jesus Cristo é o enviado de Deus e confessar, publicamente, que é ele o seu Salvador... Será salvo. E enquanto estiver aqui nessa terra encontrará... ao pé da cruz...
Consolo, redenção e transformação.  E, depois,  viverá para sempre no reino do nosso Senhor Jesus Cristo.  Reino de paz, de amor, de justiça e de muita alegria.
Louvado seja Deus.


Josué de Oliveira Silva. 

Em meio as festividades do último natal e reveillon , vendo toda aquela correria quase neurótica, nos shopings , nas feiras, supermercados ,igrejas ,e principalmente no carro de propaganda que quase sempre funcionava como um despertador móvel e de mal gosto. Principalmente pra mim que estava de férias com o fuso um tanto confuso. Silenciosamente travei uma batalha : qual a motivação para todo esse frenesi ?  Era o clima de fim de ano , afinal assim como eu milhões estavam fora da rotina.É a despedida de 2016 que merece ser comemorado com muito vigor ; Havia também o clima natalino  afinal o menino de Belém, desconsiderando as controvérsias cronológicas, comemora 2017 anos. Há! têm também os feriados prolongados com muitas motivações pra embriagar a sede e empanzinar a fome .Engraçado que os dos lugares que observei os mais "alegres" eram os regados a cachaça e carne assada.
E  finalmente na minha busca encontrei a  resposta que mais me satisfez : é o dinheiro !!!  É ele o grande combusível , que  impulsiona essas "Máquinas" desse grande "Mad Max" pós moderno.
Quando minha indagação encontrou paz , já era as últimas hora da última noite do ano . Uma noite linda .Olho pro Céu vou agradecer pelo fim, não do ano que se vai, mas da última batalha que saí vitorioso ....de repente vi no céu  milhões de cédulas sendo queimadas na minha cidade . Olhei na televisão bilhões sendo queimados nos céus de quase todo o planeta... entrei em luta novamente e calmamente fui pacificado pelas palavras, não mais do menino ,mas do Espírito do Filho do Homem. Que me disse que toda a minha busca por respostas, tinha o mesmo motivo da correria de todo o homem:  É A SEDE !
"E no último dia ,o grande dia da festa ,Jesus pôs-se em pé, e clamou,dizendo: Se alguém tem sede,venha a mim e beba." (Joao 7:37)

Luciano da Mata

domingo, 1 de janeiro de 2017

O Reino dos céus

Governos são originados do mais alto dos governos. Deus. Ele reina sobre tudo que Ele criou. Sobre todas as coisas. E à partir do seu trono os governos são distribuídos em níveis diversos.
No mundo natural e no mundo espiritual.
O homem era o governo estabelecido no mundo natural. Mas o diabo o enganou e causou a ruptura do governo do mundo, do homem, com o trono de Deus. O homem caiu de sua posição de governo e se tornou escravo do diabo. O governo do mundo natural passou às mãos de Satanás. Que se tornou o príncipe desse mundo. Durante muitos anos ele fez coisas horríveis com os governos da Terra. Até que um homem satisfez as exigências para o restabelecimento do governo do mundo natural às mãos de um representante da humanidade. Reatando a relação trono de Deus com governo do mundo natural.Cristo Jesus. Este homem passou à ser o governo do mundo natural e do mundo espiritual. Hoje é ele quem governa sobre todos e sobre tudo. Ele deixou o cargo de governador para o homem mas voltará e pedirá contas de cada um acerca do seu trabalho.
(Lucas 19.11-28)
Fala da distribuição de níveis de responsabilidades.
Cada um, no seu âmbito de autoridade, prestará contas à Jesus Cristo. O juiz de todos. Homens e anjos.
Ele foi e assentou se à direita do Poder.
Um dia, e eu acredito que estamos no limiar desse dia, Ele virá interferir no curso da história da humanidade. Estabelecendo diante de todos os homens o seu trono. O seu governo.


Hoje cada um de nós temos a oportunidade de receber em nossos corações a marca do seu governo. Por meio da fé somos feitos co-herdeiros com Cristo e passamos a constituir o seu corpo de ministros. Recebendo a honra de ser participantes no Seu reino. Isso quer dizer que eu ou você podemos deixar de ser simples homens escravizados por um príncipe que não é o governo legítimo. Podemos deixar de ser dominados por um deus derrotado e destronado. Para enfileirar nas milícias do Rei verdadeiro.
Vivemos aquém do que ele tem pra nós. Porque não sabíamos que a verdade é que ele venceu a morte. Venceu o diabo e venceu o pecado. E garante à todos quantos virem à Ele... "De maneira nenhuma o lançarei fora."
Os nossos atos. Nossas ações. Nossa fraqueza.
Nosso procedimento. Tudo que faz de nós pecadores miseráveis. Caem diante do Rei. Por meio da fé.
Confesso que você Jesus é poderoso para me transformar de miserável que sou em um poderoso instrumento no seu Reino. Hoje e na eternidade. Sei que podes me derrubar das minhas respirações de ameaças e de mau caminho. Como fez com o apóstolo Paulo. Creio que tu és poderoso para interferir no curso da minha história. Eu me entrego à Ti. Senhor. Eu sempre fui teu. Deus, em nome de Jesus, vem e me tira desse lugar miserável. De debaixo da mão do diabo. Me coloca de pé e me faz ser parte desse reino maravilhoso.
Teu reino senhor é sempiterno. O reino de Deus e do seu Cristo não terá fim. Aleluia.
Louvado seja Deus.

Josué de Oliveira Silva.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Estou cansado! (de: Ricardo Gondim )

Cansei! Entendo que o mundo evangélico não admite que um pastor confesse o seu cansaço. Conheço as várias passagens da Bíblia que prometem restaurar os trôpegos. Compreendo que o profeta Isaías ensina que Deus restaura as forças do que não tem nenhum vigor. Também estou informado de que Jesus dá alívio para os cansados. Por isso, já me preparo para as censuras dos que se escandalizarem com a minha confissão e me considerarem um derrotista. Contudo, não consigo dissimular: eu me acho exausto. Não, não me afadiguei com Deus ou com minha vocação. Continuo entusiasmado pelo que faço; amo o meu Deus, bem como minha família e amigos. Permaneço esperançoso. Minha fadiga nasce de outras fontes. Canso com o discurso repetitivo e absurdo dos que mercadejam a Palavra de Deus. Já não agüento mais que se usem versículos tirados do Antigo Testamento e que se aplicavam a Israel para vender ilusões aos que lotam as igrejas em busca de alívio. Essa possibilidade mágica de reverter uma realidade cruel me deixa arrasado porque sei que é uma propaganda enganosa. Cansei com os programas de rádio em que os pastores não anunciam mais os conteúdos do evangelho; gastam o tempo alardeando as virtudes de suas próprias instituições. Causa tédio tomar conhecimento das infinitas campanhas e correntes de oração; todas visando exclusivamente encher os seus templos. Considero os amuletos evangélicos horríveis. Cansei de ter de explicar que há uma diferença brutal entre a fé bíblica e as crendices supersticiosas. Canso com a leitura simplista que algumas correntes evangélicas fazem da realidade. Sinto-me triste quando percebo que a injustiça social é vista como uma conspiração satânica, e não como fruto de uma construção social perversa. Não consideram os séculos de preconceitos nem que existe uma economia perversa privilegiando as elites há séculos. Não agüento mais cultos de amarrar demônios ou de desfazer as maldições que pairam sobre o Brasil e o mundo. Canso com a repetição enfadonha das teologias sem criatividade nem riqueza poética. Sinto pena dos teólogos que se contentam em reproduzir o que outros escreveram há séculos. Presos às molduras de suas escolas teológicas, não conseguem admitir que haja outros ângulos de leitura das Escrituras. Convivem com uma teologia pronta. Não enxergam sua pobreza porque acreditam que basta aprofundarem um conhecimento “científico” da Bíblia e desvendarão os mistérios de Deus. A aridez fundamentalista exaure as minhas forças. Canso com os estereótipos pentecostais. Como é doloroso observá-los: sem uma visitação nova do Espírito Santo, buscam criar ambientes espirituais com gritos e manifestações emocionais. Não há nada mais desolador que um culto pentecostal com uma coreografia preservada, mas sem vitalidade espiritual. Cansei, inclusive, de ouvir piadas contadas pelos próprios pentecostais sobre os dons espirituais. Cansei de ouvir relatos sobre evangelistas estrangeiros que vêm ao Brasil para soprar sobre as multidões. Fico abatido com eles porque sei que provocam que as pessoas “caiam sob o poder de Deus” para tirar fotografias ou gravar os acontecimentos e depois levantar fortunas em seus países de origem. Canso com as perguntas que me fazem sobre a conduta cristã e o legalismo. Recebo todos os dias várias mensagens eletrônicas de gente me perguntando se pode beber vinho, usar “piercing”, fazer tatuagem, se tratar com acupuntura etc., etc. A lista é enorme e parece inexaurível. Canso com essa mentalidade pequena, que não sai das questiúnculas, que não concebe um exercício religioso mais nobre; que não pensa em grandes temas. Canso com gente que precisa de cabrestos, que não sabe ser livre e não consegue caminhar com princípios. Acho intolerável conviver com aqueles que se acomodam com uma existência sob o domínio da lei e não do amor. Canso com os livros evangélicos traduzidos para o português. Não tanto pelas traduções mal feitas, tampouco pelos exemplos tirados do golfe ou do basebol, que nada têm a ver com a nossa realidade. Canso com os pacotes prontos e com o pragmatismo. Já não agüento mais livros com dez leis ou vinte e um passos para qualquer coisa. Não consigo entender como uma igreja tão vibrante como a brasileira precisa copiar os exemplos lá do norte, onde a abundância é tanta que os profetas denunciam o pecado da complacência entre os crentes. Cansei de ter de opinar se concordo ou não com um novo modelo de crescimento de igreja copiado e que vem sendo adotado no Brasil. Canso com a falta de beleza artística dos evangélicos. Há pouco compareci a um show de música evangélica só para sair arrasado. A musicalidade era medíocre, a poesia sofrível e, pior, percebia-se o interesse comercial por trás do evento. Quão diferente do dia em que me sentei na Sala São Paulo para ouvir a música que Johann Sebastian Bach (1685-1750) compôs sobre os últimos capítulos do Evangelho de São João. Sob a batuta do maestro, subimos o Gólgota. A sala se encheu de um encanto mágico já nos primeiros acordes; fechei os olhos e me senti em um templo. O maestro era um sacerdote e nós, a platéia, uma assembléia de adoradores. Não consegui conter minhas lágrimas nos movimentos dos violinos, dos oboés e das trompas. Aquela beleza não era deste mundo. Envoltos em mistério, transcendíamos a mecânica da vida e nos transportávamos para onde Deus habita. Minhas lágrimas naquele momento também vinham com pesar pelo distanciamento estético da atual cultura evangélica, contente com tão pouca beleza. Canso de explicar que nem todos os pastores são gananciosos e que as igrejas não existem para enriquecer sua liderança. Cansei de ter de dar satisfações todas as vezes que faço qualquer negócio em nome da igreja. Tenho de provar que nossa igreja não tem título protestado em cartório, que não é rica, e que vivemos com um orçamento apertado. Não há nada mais desgastante do que ser obrigado a explanar para parentes ou amigos não evangélicos que aquele último escândalo do jornal não representa a grande maioria dos pastores que vivem dignamente. Canso com as vaidades religiosas. É fatigante observar os líderes que adoram cargos, posições e títulos. Desdenho os conchavos políticos que possibilitam eleições para os altos escalões denominacionais. Cansei com as vaidades acadêmicas e com os mestrados e doutorados que apenas enriquecem os currículos e geram uma soberba tola. Não suporto ouvir que mais um se auto-intitulou apóstolo. Sei que estou cansado, entretanto, não permitirei que o meu cansaço me torne um cínico. Decidi lutar para não atrofiar o meu coração. Por isso, opto por não participar de uma máquina religiosa que fabrica ícones. Não brigarei pelos primeiros lugares nas festas solenes patrocinadas por gente importante. Jamais oferecerei meu nome para compor a lista dos preletores de qualquer conferência. Abro mão de querer adornar meu nome com títulos de qualquer espécie. Não desejo ganhar aplausos de auditórios famosos. Buscarei o convívio dos pequenos grupos, priorizarei fazer minhas refeições com os amigos mais queridos. Meu refúgio será ao lado de pessoas simples, pois quero aprender a valorizar os momentos despretensiosos da vida. Lerei mais poesia para entender a alma humana, mais romances para continuar sonhando e muita boa música para tornar a vida mais bonita. Desejo meditar outras vezes diante do pôr-do-sol para, em silêncio, agradecer a Deus por sua fidelidade. Quero voltar a orar no secreto do meu quarto e a ler as Escrituras como uma carta de amor de meu Pai. Pode ser que outros estejam tão cansados quanto eu. Se é o seu caso, convido-o então a mudar a sua agenda; romper com as estruturas religiosas que sugam suas energias; voltar ao primeiro amor. Jesus afirmou que não adianta ganhar o mundo inteiro e perder a alma. Ainda há tempo de salvar a nossa. Soli Deo Gloria.

Texto retirado do site: http://www.ricardogondim.com.br/Artigos/artigos.info.asp?tp=61&sg=0&id=870

terça-feira, 17 de maio de 2011

Por que Deus criou o mundo, mesmo sabendo o futuro?

Deus é infinitamente sábio e infinitamente bom.
Se O colocarmos dentro dos nossos padrões morais, éticos e religiosos...
Teremos a petulância de condenar os Seus Atos!
É o barro avaliando o oleiro segundo lamacentos critérios!
Deus criou todas as coisas.
E tudo que Ele criou glorifica a Sua Genialidade.
A existência é algo tão complexo porque é infinitamente superior ao nosso entendimento!
Eu decidi confiar em Deus.
Decidi acreditar que Ele não me lançará fora.
No final poderei contemplar quão bom e maravilhoso é Esse Criador perfeito.
Cada um de nós somos produto de Suas mãos!
Resultado da Sua Inspiração!!!
Seremos todos surpreendidos pela Sua Glória e Majestade.
Ele é Bom.
E isso ficará provado no desfecho de Seu Ato.
Mesmo que homens e mulheres se julguem tão capazes e evoluídos, a ponto de esquadrinhá-lO e, também determinar veredictos acerca das Suas ações.
Lembrem-se!
Ele sabe o que faz.
As dores; as tragédias; as injustiças; os horrores e as loucuras que testemunhamos nesta existência terão uma explicação.
Angústias e ansiedades nos sufocam neste mundo.
Dúvidas, medos e incertezas acerca do futuro.
Como se estivéssemos à deriva em plena tempestade cercados pelo mistério, pela penumbra de um espaço enorme e inexplorado: O Universo!
De que é feito?
Como funciona?
Tem fim?
Quando começou?
É bom ou mau?
Ouvimos muitas respostas...
Uns afirmam. Outros constroem teorias!
São tantos mestres e tantos sábios com suas respostas sobre Deus e sobre Sua criação!
São tantas certezas!!!
Tantas hipóteses!!!
Todas tentando convencer-nos de que são detentores da resposta definitiva.
Enfim...
São todos homens e mulheres com suas inquietações.
E com seus questionamentos.
Com suas teses, crenças e humanas argumentações!!!
Para quem acredita que Deus existe vai aí os meus cumprimentos!!!
Para quem assim não crê...
Meus sentimentos.
Um abraço e um beijo no coração de todos!!!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Dar e receber!!!!

Quando ajudamos uns aos outros somos ajudados.
Quando ministramos cura aos corações somos sarados também.
E, ao amarmos somos saciados com o Amor que é Deus!!!!
Beijo no coração de todos vocês, meus leitores!!!

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Um tempo para nós!

Falar de tempo é falar de algo que não agrada à muitos.
O tempo se manifesta como um inimigo que te impede de realizar alguma coisa;
que te pressiona a fazer algo sem a calma e o esmero que você tanto deseja.
Mas, em se tratando da nossa existência aqui, sabemos que todos vivem por um tempo.
E então morrem!!!
É uma regra que não quebramos!
O tempo acaba.
A vida se esvai...
escapa do nosso controle...
não conseguimos retê-la!!!
Desejo que você entenda a importância que precisa dar a isso!!!
Usar com sabedoria o tempo que recebeu.
Aproveitá-lo pra descobrir valiosos tesouros!!!
Tentar entender o motivo da sua existência.
E, por fim, encontrar respostas...
e, quem sabe?... oferecer respostas à quem não foi tão eficiente como você nessa busca!!!
Eu não sei se você acredita na existência de um Deus.
E não vou partir pra essa discussão.
Uma coisa é perceptível:
Temos prazo aqui.
Não podemos, simplesmente, ignorar isso!!!
Estamos, a cada dia, face a face com esses eventos chocantes que causam tantas mortes!!!
Contemplamos milhares de "fim do tempo" para milhares de pessoas.
Inclusive aquelas a quem amamos!!!
Pense nisso!!!
O que você vai fazer, dentro desse prazo?
Um grande abraço!!!
E te desejo uma ótima viagem até que o tempo se acabe...
Ou melhor!!!
Que não seja um fim!
Desejo que seja o começo de um novo tempo!!!


Josué de Oliveira Silva.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Pense Nisso!!!

Algo que se desfaz com os anos... Que murcha... envelhece... degrada-se... e, por fim, desaparece!!! Vc chamaria isso de Realidade? Eu não.